Solomon Kane - Robert E. Howard

Solomon Kane – Robert E. Howard

Solomon Kane é baseado numa personagem de pulp fiction criado por Robert E. Howard, que já foi adaptado pela Marvel em quadradinhos dos anos 70. O protagonista é um guerreiro puritano do século 16, que usa o cristianismo como arma contra seus inimigos.

GERMANY_MEIN_KAMPF_15605949 (1024 x 718)

Como a Alemanha lida com “Minha Luta”

Manifesto de Hitler ainda está proibido no país, mas cairá em domínio público em 2016. Depois de 70 anos, livro será novamente publicado, mas só em versão comentada – o que muitos consideram uma restrição exagerada.
O livro Minha Luta (Mein Kampf), no qual Adolf Hitler define as bases da ideologia nazista, é banido na Alemanha desde o fim da Segunda Guerra. Mas recentemente, quase 90 anos após sua publicação, ele voltou a virar tema de debate no país.

Kull, Exílio da Atlântida - Robert E. Howard

Kull: Exílio da Atlântida – Robert E. Howard

Kull era um jovem bárbaro, nascido na Atlântida antes desta ter sido encoberta pelas aguas do mar. Abandonado pelos pais na floresta e criado por tigres, o menino viveu entre animais até que foi encontrado pela tribo do mar. Convivendo com os selvagens, ele atingiu a idade de se tornar um guerreiro. O velho feiticeiro da tribo declarou que o espírito do tigre seria seu símbolo e seu protetor. Dias depois, quando Kull e alguns companheiros chegavam de viagem à aldeia, o jovem atlante avistou uma multidão se preparando para queimar uma jovem. Revoltado ao saber que a nativa seria sacrificada por haver fugido com um pirata, e vendo que seria impossível salvá-la, ele a matou antes que o fogo tomasse seu corpo e a envolvesse num sofrimento insuportável. Considerado um traidor, todos se voltaram contra o rapaz, que mergulhou no mar e fugiu, sendo encontrado por piratas lemurianos. Escravizado pelos saqueadores, ele os serviu como remador, até que a caravela onde se encontrava ancorou próxima ao Reino de Valúsia, um dos países que compunham os chamados Sete Impérios. Fugindo da embarcação, ele foi capturado pelo valusianos e forçado a lutar na arena. Não demorou muito e, graças a sua força e coragem, Kull acabou se tornando um soldado, depois oficial até atingir o posto de comandante da Legião Negra, a tropa de elite do Rei Borna. Instigado por alguns nobres a assassinar o soberano para que o barão Kaanub assumisse o poder, Kull matou o monarca e decidiu ele mesmo usar a coroa real. Hoje Kull é um rei odiado por grande parte dos seu súditos, que o consideram um selvagem, indigno de governar um povo tão civilizado.

10 atitudes típicas de um viciado em livros

10 atitudes típicas de um viciado em livros

Quanto mais se fala no fim do livro físico, mais aumenta o número de aficionados por livros. A dependência literária chega a ponto de causar síndrome de abstinência e leva o compulsivo a tomar atitudes estranhas, só para criar oportunidades de ficar mais tempo junto a seu objeto de desejos. Em tom de brincadeira, mas baseado em situações reais, foram alinhadas dez atitudes típicas de pessoas realmente viciadas em livros. Se você se enquadrar em seis itens ou mais, já é um caso grave da síndrome e precisa se internar numa clínica detox para bibliomaníacos.

Onde estivestes de noite - Clarice Lispector

Onde estivestes de noite – Clarice Lispector

A coletânea de textos de Onde estivestes de noite, de Clarice Lispector, foi publicada pela primeira vez em 1974. São 17 crônicas trágicas e cômicas, onde as dores e as aflições do cotidiano banal são reveladas ora por descrições angustiadas e delirantes, ora por detalhes bizarros, risíveis, bem-humorados. O texto que dá título ao livro, Onde estivestes de noite, por exemplo, é uma hipótese, uma visão de um ritual de magia negra ou de uma seita louca qualquer, com a participação de peregrinos fanáticos, uma viagem alucinada, atraente e atemorizante, durante uma noite improvável. Mas tudo aquilo é verdade e existe, garante a autora, quando o dia amanhece, afastando os males e as cenas do inferno, durante uma missa onde os fiéis fazem o sinal-da-cruz: A manhã estava límpida como coisa recém-lavada, esclarece. Há histórias hilariantes, como a da senhora Jorge B. Xavier, de A procura de uma dignidade, uma anciã atrapalhada diariamente acometida por um fogo interior. É uma daquelas pessoas que erram o endereço do seminário e que só fazem questão de ir para cumprir o papel de atualizada, mas acaba passando mal de calor ao final do encontro. Como os demais livros que compõem a obra de Clarice, Onde estivestes de noite recebeu novo tratamento gráfico e foi revisado pela professora de crítica textual, Marlene Gomes Mendes, baseada em sua primeira edição. Em Onde estivestes de noite Clarice Lispector traduz com precisão máxima a alma aflita, mas de uma forma muito, muito divertida.

A consciência das palavras - Elias Canetti

A consciência das palavras – Elias Canetti

 A Consciência das Palavras, coleção de ensaios onde se acham reunidos textos sobre Confúcio, Georg Büchner, Tolstoi, Kafka, Hermann Broch, Karl Kraus e Hitler, além de uma evocação da tragédia de Hiroshima. por intermédio do diário de um de seus sobreviventes ou de reminiscências sobre as origens de seu monumental romance Auto-de-fé.

O jogo dos olhos - Elias Canetti

O jogo dos olhos – Elias Canetti

Em O Jogo dos Olhos, Elias Canetti aborda o período de sua vida em que assistiu à ascensão de Hitler e à Guerra Civil espanhola, à fama literária de Musil e Joyce e à gestação de suas próprias obras-primas, Auto de fé e Massa e poder. Terceiro volume de uma autobiografia escrita com vigor literário e rigor intelectual, O jogo dos olhos é também o jogo das vaidades literárias exposto com impiedade, o jogo das descobertas intelectuais narrado com paixão e o confronto decisivo entre mãe e filho traçado com amargo distanciamento.

Uma luz em meu ouvido - Elias Canetti

Uma luz em meu ouvido – Elias Canetti

Em Uma Luz em Meu Ouvido, Canetti nos oferece um retrato espantosamente rico de Viena e Berlim nos anos 20, do qual fazem parte não só familiares do escritor, como sua mãe ou sua primeira mulher, Veza, mas também personagens famosos como Karl Kraus, Bertolt Brecht, Geoge Grosz e Isaak Babel, além da multidão de desconhecidos que povoam toda metrópole.

Um Sopro de Neve e Cinzas – Outlander #06 – Diana Gabaldon

Um Sopro de Neve e Cinzas – Outlander #06 – Diana Gabaldon

O ano é 1772, às vésperas da Revolução Americana, e o longo pavio da rebelião já corre aceso: em Boston as ruas estão coalhadas de mortos; na Carolina do Norte cabanas queimam na escuridão. E uma sombra se projeta sobre a casa em Fraser’s Ridge onde moram o guerreiro escocês Jamie Fraser e sua família.
A colônia está em efervescência. O governador Josiah Martin precisa de alguém para unir as terras do interior, pacificar os ressentimentos entre colonos e índios e manter as montanhas a salvo para a Coroa Inglesa. Todos concordam que Jamie Fraser é o homem à altura da tarefa. Mas graças à mulher, Claire Randall, uma viajante do tempo, ele sabe que será fatal ficar do lado britânico. Dali a três anos as 13 colônias conseguirão sua independência, constituindo uma nova nação.

O Punho e a Renda - Edgard Telles Ribeiro

O Punho e a Renda – Edgard Telles Ribeiro

Em seu novo romance, O PUNHO E A RENDA — que já vem sendo considerado uma obra-prima da ficção política e seu mais importante trabalho —, Edgar Telles Ribeiro, escritor e diplomata, mergulha nos bastidores das embaixadas, revelando suas tensões e disputas. Não se trata, porém, do rendilhado charmoso da vida social das rodas diplomáticas — Edgard abre, pela primeira vez no Brasil, uma caixa preta: tendo como tema a ditadura brasileira e as formas de opressão que o sistema gerou no período do regime militar (1964-1985), a obra revela os subterrâneos sinistros da Operação Condor e lida com os grupos de direita que atuaram dentro do Itamaraty nessa época. Aborda complôs para derrubar governos, cumplicidades com torturas, a sede de subir na carreira.

Uma visão do fogo - Saga do Fim do Mundo #01 - Gillian Anderson, Jeff Rovin

Uma visão do fogo – Saga do Fim do Mundo #01 – Gillian Anderson, Jeff Rovin

“Gillian Anderson, de Arquivo X, faz sua estreia na literatura de ficção com este envolvente suspense, em coautoria com o veterano do gênero Jeff Rovin.” – Publishers Weekly
O primeiro romance de Gillian Anderson, protagonista da série Arquivo X no papel da agente Scully, é um thriller de ficção científica de proporções épicas.
A especialidade de Caitlin O’Hara, uma renomada psicóloga infantil, é ajudar crianças e jovens que sofreram algum tipo de trauma. Mas sua vasta experiência é desafiada quando Maanik, filha do embaixador da Índia na ONU, começa a ter visões, falar línguas desconhecidas e se autoflagelar em uma espécie de transe. Caitlin tem certeza de que os ataques estão ligados à recente tentativa de assassinato do pai da menina, fato que provocou uma tensão nuclear entre Índia e Paquistão. Mas quando adolescentes de outras partes do mundo começam a ter visões semelhantes, Caitlin percebe que uma força oculta pode estar por trás do fenômeno…
Sob a iminência de um conflito global, Caitlin terá que viajar por diversos países em busca de possíveis ligações paranormais entre os incidentes a fim de salvar não apenas sua paciente, mas talvez o mundo.

Stieg Larsson - Jan-Erik Pettersson

Stieg Larsson – Jan-Erik Pettersson

A verdadeira história do criador da Trilogia Millennium

Antes de publicar a trilogia que se tornaria um sucesso estrondoso e venderia mais de 60 milhões de cópias no mundo inteiro, Stieg Larsson (1954-2004) foi um dos maiores ativistas políticos de seu país.
Seu colega, o jornalista e editor Jan-Erik Pettersson, remonta nesta biografia a intensa história de engajamento do escritor e como ela moldou sua vida e sua obra.
Larsson começou seu envolvimento político muito jovem, participando das manifestações contra a Guerra do Vietnã nos anos 1960 e visitando países africanos em conflito, como a Eritreia, nos anos 70. Como jornalista, combateu a extrema direita e defendeu os direitos das mulheres e de minorias. O jornalista e sua mulher, Eva Gabrielsson, viveram anos sob a ameaça de morte por parte dos grupos criminosos neofascistas que proliferaram na Suécia.
A preocupação com as questões sociais foi fundamental para dar corpo à trilogia Millennium e criar a notável figura de Lisbeth Salander — que encarna, junto com o jornalista Mikael Blomkvist, os ideais de luta contra as injustiças.
Pettersson conta que Larsson falava abertamente dos romances que o deixariam milionário e iriam lhe garantir uma aposentadoria confortável. A triste ironia, porém, foi ele ter morrido subitamente, jovem demais (aos cinquenta anos, de ataque cardíaco) antes que pudesse ver seus livros publicados.

A Rainha do Castelo de Ar - Millennium #03 - Stieg Larsson

A Rainha do Castelo de Ar – Millennium #03 – Stieg Larsson

Neste terceiro e último volume da série, Lisbeth Salander se recupera, num hospital, de ferimentos que quase lhe tiraram a vida, enquanto Mikael Blomkvist procura conduzir uma investigação paralela que prove a inocência de sua amiga, acusada de vários crimes. Mas a jovem não fica parada, e muito mais do que uma chance para defender-se, ela quer uma oportunidade para dar o troco. E agora conta com excelentes aliados. Além de Mikael, jornalista investigativo que já desbaratou esquemas fraudulentos e solucionou crimes escabrosos, no mesmo front estão Annika Giannini, advogada especializada em defender mulheres vítimas de violência, e o inspetor Jan Bublanski, que segue sua própria linha investigativa, na contramão da promotoria.

Com a ajuda deles, Lisbeth está muito perto de desmantelar um plano sórdido que durante anos se articulou nos subterrâneos do Estado sueco, um complô em cujo centro está um perigoso espião russo que ela já tentou matar. Duas vezes.

“A rainha do castelo de ar” enfoca de modo original as mazelas da sociedade atual, tendo conquistado um lugar único dentro da literatura policial contemporânea.