Fim – Fernanda Torres

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrDigg thisPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Fim – Fernanda TorresO público brasileiro acostumou-se a ver Fernanda Torres no cinema, no  teatro ou na televisão. Em filmes premiados, novelas ou séries globais,  ela se firmou como uma das mais versáteis atrizes brasileiras, capaz de  atuar num arco dramático que vai da comédia escrachada ao denso drama  psicológico.
Em anos recentes, Fernanda começou a atuar na imprensa, em colunas no  jornal Folha de S.Paulo, na Veja Rio e em colaborações para a revista  piauí. Com Fim, seu primeiro romance, ela consolida sua transição para o  universo das letras e mostra que nesse âmbito é uma artista tão  completa quanto no palco ou diante das câmeras.

O livro focaliza a história de um grupo de cinco amigos cariocas.  Eles rememoram as passagens marcantes de suas vidas: festas, casamentos,  separações, manias, inibições, arrependimentos.
Álvaro vive sozinho, passa o tempo de médico em médico e não suporta a  ex-mulher. Sílvio é um junkie que não larga os excessos de droga e sexo  nem na velhice. Ribeiro é um rato de praia atlético que ganhou sobrevida  sexual com o Viagra. Neto é o careta da turma, marido fiel até os  últimos dias. E Ciro, o Don Juan invejado por todos - mas o primeiro a  morrer, abatido por um câncer.

São figuras muito diferentes, mas que partilham não apenas o fato de  estar no extremo da vida, como também a limitação de horizontes. Sucesso  na carreira, realização pessoal e serenidade estão fora de questão -  ninguém parece ser capaz de colher, no fim das contas, mais do que um  inventário de frustrações.
Ao redor deles pairam mulheres neuróticas, amargas, sedutoras,  desencanadas, descartadas, conformadas. Paira também um padre em crise  com a própria vocação e um séquito de tipos cariocas frutos da arguta  capacidade de observação da autora.

Há graça, sexo, sol e praia nas páginas de Fim. Mas elas também são  cheias de resignação e cobertas por uma tinta de melancolia. Humor sem superficialidade, lirismo sem cafonice, complexidade sem  afetação, densidade sem chatice: de que mais precisa um romance para  dizer a que veio?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on TumblrDigg thisPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

“Eu não me importo com o que os outros pensam sobre o que eu faço, mas eu me importo muito com o que eu penso sobre o que eu faço. Isso é caráter.” - Theodore Roosevelt



Os comentários estão fechados.