Terra Sonâmbula – Mia Couto

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Um ônibus incendiado em uma estrada poeirenta serve de abrigo ao velho Tuahir e ao menino Muidinga, em fuga da guerra civil devastadora que grassa por toda parte em Moçambique. Como se sabe, depois de dez anos de guerra anticolonial (1965-1975), o país do sudeste africano viu-se às voltas com um longo e sangrento conflito interno que se estendeu de 1976 a 1992.
O veículo está cheio de corpos carbonizados. Mas há também um outro corpo à beira da estrada, junto a uma mala que abriga os “cadernos de Kindzu”, o longo diário do morto em questão. A partir daí, duas histórias são narradas paralelamente: a viagem de Tuahir e Muidinga e, em flashback,o percurso de Kindzu em busca dos naparamas, guerreiros tradicionais, abençoados pelos feiticeiros, que são, aos olhos do garoto, a única esperança contra os senhores da guerra.
“Terra Sonâmbula” – considerado por júri especial da Feira do Livro de Zimbabwe um dos doze melhores livros africanos do século XX e agora reeditado no Brasil pela Companhia das Letras – é um romance em abismo, escrito numa prosa poética que remete a Guimarães Rosa.
Couto se vale também de recursos do realismo mágico e da arte narrativa tradicional africana para compor esta bela
fábula.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

“Eu não me importo com o que os outros pensam sobre o que eu faço, mas eu me importo muito com o que eu penso sobre o que eu faço. Isso é caráter.” - Theodore Roosevelt



6 respostas para “Terra Sonâmbula – Mia Couto”

  1. Jonathan disse:

    Faz muito tempo que quero ler esse livro. Obrigado.
    Seria interessante dizer que essa tradução dele está em português de Portugal.

  2. nandocmmc disse:

    Mais uma obra para a minha vasta coleção… Obrigado!!!

  3. Roujiach disse:

    Obrigado! Vai para a lista de leitura.

  4. Marcelo disse:

    Tinha curiosidade de conhecer a obra de Mia Couto. Valeu pela oportunidade.

  5. Edilton disse:

    Mia Couto é muito legal. É bem parecido com García Márquez em alguns aspectos, mas tem estilo próprio. Esse foi um dos melhores dele que eu já li. Recomendo!

  6. Juliane disse:

    Graças a você vou começar a ler Mia Couto, dizem ser muito bom.

Deixe uma resposta